A verdadeira história dos rebaixamentos corintianos

Muito se engana aqueles que pensam que o Corinthians sofreu com o rebaixamento apenas uma vez (assim como os que dizem que Santos e São Paulo nunca caíram). Rebaixamento, para o Corinthians, seria uma página da história bem extensa do que 2007. Já o Palmeiras, que nunca foi forte nos bastidores da CBF, sempre que caiu, teve que jogar a segunda divisão.

Não lembram celas de carceragem?

As viradas de mesa são, em regra, desconhecidas do público adolescente, mas quem tem de 20 anos de idade a partir de 20 anos, sabe que o futebol brasileiro sempre teve pouco crédito: mudanças antes, durante e depois dos torneios. E o melhor: a maior parte delas somem e as pessoas esquecem com uma facilidade ímpar.

E nem estou falando da famosa Taça de Prata, a série B do final da década de 70 e início da década de 80. Até porque não existia rebaixamento na época. Pois a Taça de Ouro e de Prata – existiu por um período também a de Bronze – eram definidas pelas colocações nos estaduais, e por aqui (estado de São Paulo), não rolou sacanagem de times mal colocados jogarem Taça de Ouro.

Mas vamos ao que interessa.

Começou para inovar…

Copa União de 1987.

O Clube dos Treze surge como inovação e busca de credibilidade no futebol nacional e cria a Copa União, com quatro divisões, ou módulos, que inclusive cruzariam.

Os treze times fundadores, além de Santa Cruz, Goiás e Coritiba. Aí todo um impasse do C13 com a CBF deixou o torneio com um impasse na disputa do título. mas lá embaixo tudo era claro: sobem dois e caem dois.

Porém, ao final do torneio, a surpresa. Quando todos esperavam que Santa Cruz, Goiás ou Coritiba caíssem, o Corinthians, com uma campanha bizarra de 1-3-4, apenas 4 gols marcados e 9 sofridos ficou na lanterna do grupo, e na lanterna geral do torneio.

Rebaixamento!

Rebaixamento de um dos C13? Rebaixar uma das maiores torcidas do país? Rebaixar o Corinthians? Jamais.

Aproveitando o impasse de 1987 na luta pelo título, criada pela CBF, o jeito foi inchar a competição para 24 times, com a intenção de caírem 4 e subirem 2.

Em 1988, conforme previsto, tudo perfeito: morreram na zona de rebaixamento Bangu, Santa Cruz, Criciúma e América/RJ. Corinthians – e Santos – estavam salvos!

A segunda historinha é bem recente e muitos lembram. Alguns, fingem não lembrar.

2000 – Copa João Havelange.

Copa JH foi modelo.
De desorganização, mutreta e salvação a rebaixamentos.

Sem rebaixamento? Não… Essa é a história que os corintianos contam. Novamente a montagem de módulos. O módulo principal (azul) com 25 times. Deles, apenas um ou outro sobrevivente eventual dos mata-matas seguiriam para 2001 no Brasileirão. Ou seja, poderia ser que apenas o último caísse.

O São Caetano fez grande campanha, bem como o Paraná Clube. Assim, teriam que “cair”, ou melhor, não fazer parte dos 24 times da primeira divisão de 2001, apenas os três últimos.

E o Corinthians foi o 24º. Penúltimo. Santa Cruz lanterna.

Rebaixamento!

Como salvar o Timão?

Bom, Santa Cruz livre, precisavam arrumar dois bodes. O Gama entrou na Justiça Comum contra a CBF.

Bingo! Gama fora! Faltava um. Não teve como… Solução?

Brasileirão de 2001 com 28 times… E como na Copa União, depois da armação caíram Santa Cruz, América/MG, Botafogo/SP e Sport. Perfeito, nenhum grande!

Corinthians salvo!

E como dizem, um é pouco, dois é bom, três é demais: 2007, não teve jeito. Corinthians caiu.

Asterisco: Nem vou contar detalhes da história do Brasileiro de 1997, quando Flamengo e Goiás, na sequência, facilitaram a vitória do Corinthians para fugir do rebaixamento. Após o segundo gol corintiano, aos 20´do primeiro tempo, a torcida goiana se pôs a gritas: “É, marmelada!”, e o ano seguinte o Corinthians emprestou o zagueiro Célio Silva ao Goiás. Elementar, meu caro Watson!

Doping: quais os limites da vitória?

Um dos assuntos mais comentados nos últimos dias foi a confissão de Lance Armstrong dizendo que havia se dopado e que os sete títulos da Volta da França, prova de ciclismo mais tradicional do mundo, foram conquistadas utilizando essas substâncias proibidas. A confissão não causou nenhuma surpresa porque há algum tempo ele vinha sendo acusado de ter feito uso dessas substâncias e estava praticamente impossível ele continuar negando que nunca havia usado nada.

Armstrong que era símbolo de superação por ter vencido um câncer para depois ser o maior vencedor da Volta da França, viu tudo isso acabar depois das suspeitas de doping. Aliás, é bem provável que o câncer que ele venceu tenha sido devido ao constante uso de substâncias dopantes.

armstrong

Casos como esse sempre irão existir porque alguns laboratórios estão sempre tentando descobrir alguma substância que não seja detectada nos exames e também porque vai ter sempre um atleta disposto a conseguir seus objetivos não importa por qual meio isso seja alcançado. Mas não sei como deve ser para um atleta olhar para todas as suas conquistas e ver que tudo aquilo foi conquistado de maneira ilegal, que provavelmente nada daquilo teria sido conquistado se ele não tivesse usado substâncias ilegais.

A confissão de Lance Armstrong faz com que todos aqueles que o consideravam um ídolo, uma lenda do ciclismo, se sintam enganados durante todo esse tempo. Sem falar nos patrocinadores que pagaram milhões para ter a sua marca associada a um atleta vencedor.

Esse foi um dos maiores casos de doping da história, mas infelizmente não será o último. Por mais rigorosos que os exames antidopings estejam hoje, sempre encontrarão uma maneira de driblar os exames e fabricar falsos vencedores.

Videogame quer ser considerado esporte olímpico

Logo que acordei na segunda-feira, li um artigo que me estarreceu.

Sempre digo que estamos chegando ao ápice da inteligência e da mediocridade humana ao mesmo tempo.

Fui um crítico ferrenho quando colocaram o pôquer no casting dos esportes da mente, e não me dobrarei – pessoalmente, não como blogueiro – nem um pouco dessa opinião. Mesmo sendo amigo e admirador de André Akkari desde a adolescência.

Agora me deparo com uma notícia do UOL onde existe um abaixo assinado em mais de 130 países (certamente de todos continentes) que pedem a inclusão do vídeo-game como modalidade olímpica.

Meu Deus! Como a mente humana é capaz disso!

Final do Super Mário nas Olimpíadas de 2020? Comédia…

Dessa forma, sugiro que exista uma delimitação legal e de ordem mundial para o que é um esporte. Aquela velha máxima da filosofia grega “mente sã em corpo são” está caindo por terra?

Não digo que o vídeo-game não tenha serventia. Pelo contrário, usa muita percepção, agilidade, raciocínio lógico. Mas por favor, cada um no seu quadrado!

Video-game é diversão. Imaginem: AMANHÃ, GRANDE DISPUTA PELA MEDALHA DE OURO NO STREET FIGHTER! Nada de preparo físico, nada de olhos nos olhos.

Parem as máquinas que eu quero descer! Armagedon!

Um bom motivo para começar uma faxina no Palmeiras

A polícia de São Paulo está investigando 19 nomes ligados à Sociedade Esportiva Palmeiras por lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito. A denúncia, de 2005, está no 23º DP, e tem até gente da imprensa metida, e remete ao começo da década passada.

Talvez todo esse processo ajude a elucidar algumas coisas que aconteceram com o Palmeiras, e fomentem mais ainda o rancor que o verdadeiros torcedores palmeirenses têm por alguns deles.

Abaixo, a imagem com o scanner de página com o nome dos 19 suspeitos que ajudaram a tornar o gigante Palmeiras em motivo de muitas chacotas.

Lista negra no 23º DP: entendendo o Palmeiras!

Não quero com isso desvirtuar todas as más administrações para esse caso. Mas quem trabalha com gestão (e o processo possui mais de mil páginas distribuídas em onze volumes para se ter uma noção da lama) sabe que uma coisa dessas complica anos de gestão e dificulta muitos dos passos no clube e principalmente no departamento de futebol, o que tem os custos mais elevados.

A minha vontade é já julgá-los e rotulá-los como bandidos. Mas como sou um dos mais ferrenhos críticos da imprensa por atitudes muitas vezes assim, prefiro aguardar para a oficialização do quase  óbvio.

Fica fácil de entender porque tanta briga interna, pelo que deve ser uma mina de dinheiro!

Agora que vazou, monitoremos! E cobremos!